terça-feira, 17 de março de 2009

E agora?


Durante as últimas semanas, além de todos os milhões de grilos e dúvidas que envolvem a chegada de um filho, eu tenho pensado bastante num assunto que deve ferver a cabeça de 101% das mães por aí.

Aliás, tenho conversado muito com amigas recém-paridas - ok, em período puerperal fica mais bonito hahahahaha - e todas elas passaram ou ainda passam por uma espécie de "crise" existencial, capaz de levar muita gente à depressão pós-parto, a um surto psicótico ou até mesmo a um ataque de pelancas... Cada um tem seu modo de expressar as coisas, né? :o)

O assunto é o seguinte: quem seremos nós depois da chegada dessas pessoinhas tão pequenas e ao mesmo tempo tão importantes? Que papel vamos exercer na vida das pessoas e, principalmente, nas nossas próprias vidas?

Algumas mulheres decidem virar mães em tempo integral. Outras não têm mesmo muita opção a não ser aproveitar os meses da licença maternidade - e depois enfrentar a dura separação dos seus filhotes, pra voltar à rotina de trabalho sem perder o pique da vida profissional. Há aquelas mães que definem um prazo - "vou parar tudo por um ano e depois eu volto". E ainda existem as que não têm a menor noção de como as coisas vão ficar depois que os filhos nascerem.

E eu dou um brinde pra quem adivinhar em qual dessas categorias eu me encaixo...

Na verdade, acho que esta questão toda não se restringe só a trabalhar ou não trabalhar. A verdade é que ninguém sabe onde vai parar aquela super-mulher-poderosa-eficiente-depilada-tarada-prendada (e de unhas feitas!!) depois do primeiro contato visual com alguém que morou dentro da sua barriga por nove meses.

As mulheres passam a vida tentando ser TUDO - e não conseguindo, claro. Isto já costuma ser frustrante por si só - e a gente vive arrasada, se auto-condenando por improbidade administrativa... Mas e agora, como vai ser? Vamos culpar nossos filhos por não conseguirmos ser mais super-poderosas? Ou vamos anular tudo a nossa volta, nos perdoando eternamente, já que agora somos MÃES e todas aquelas outras facetas que compõem uma mulher moderna podem ficar em segundo plano?

Pra ser sincera, tenho medo dos dois caminhos. Não posso culpar ninguém pelo que eu consigo ou não consigo fazer da minha existência. Mas também não posso esquecer toda esta história que eu venho traçando nos últimos 32 anos, para viver exclusivamente a história de alguém que acaba de chegar.

Até porque, em algum momento ele vai querer escrever seu caminho por conta própria - e eu serei apenas mais uma mãe frustrada, que criou um montão de expectativas e de repente se vê de mãos vazias, sem sua própria história e sem o menor controle sobre a trajetória que seus filhos vão tomar.

E ainda tem um outro ponto apavorante. Até então, o pior inimigo era a nossa própria consciência. Quem de nós não passou por maus pedaços, se criticando e pensando no juizo que os outros andavam fazendo da nossa conduta? Hahaha! Pois agora teremos bem ali no quarto ao lado uma pessoinha totalmente sincera e com intimidade suficiente para dizer na lata o que pensa sobre tudo o que fizermos ou dissermos. Que beleza!!!!!

Confesso que em alguns momentos estive a beira de ficar realmente neurada com estas questões. E olhem que estou numa situação muuuuito confortável. Tenho estrutura familiar, financeira e emocional para criar um filho, além de ter uma profissão que me permite trabalhar até mesmo em casa - o sonho de consumo de tantas amigas por aí.

Mas fico pensando nas minhas prioridades, no meu futuro como pessoa, nos meus planos e projetos pessoais. O que será disso tudo? Se eu já não era muito boa nesse quesito antes, imagine com um filho pequeno chorando no berço?

Será que vale à pena deixar de curtir momentos mágicos do cotidiano com os filhos, em prol de algumas horas e alguns dinheiros do meu trabalho?

Será que vale à pena abandonar pelo caminho a Nanda produtora, compositora, publicitária, arranjadora, que ama o que faz e se sente realizada - em prol de filhos que uma hora dessas seguirão seus próprios rumos?

Qual destas serão melhores mães?

De qual delas os filhos se orgulharão mais no futuro? Aquela que abriu mão de tudo para viver o "personagem mãe", com amor em tempo integral, ou aquela que se dedicou aos seus sonhos e transmitiu aos herdeiros a importância de sonhar e correr atrás?

E será que existe um meio termo em escolhas tão difíceis?

Será que dá pra equilibrar estes pratos sem entrar em parafuso?

Será que dá pra atravessar esta fase sem ter que pensar nisso, simplesmente deixando acontecer?

Bom, por enquanto, confesso que eu estou ficando com a terceira opção. Por mais que eu goste do meu trabalho e da Nanda que eu venho "criando" até agora, não faço a menor idéia da influência que a presença do Tiago exercerá sobre as minhas escolhas daqui pra frente.

É um capítulo novo, com pesos e medidas novas - e eu ainda não me sinto pronta para fazer previsões.
Mas de uma coisa eu tenho certeza. Independente do caminho e das consequencias, eu sei que dentro deste redemoinho existe uma grande lição a ser aprendida. E é justamente para isto que eu estou me tornando mãe - para aprender.

6 comentários:

Andreia disse...

Todas nós amiga, estamos nos tornando Mãe pra aprender! Você não está sozinha neste barco rsrsrsr

Beijão Mamãe!!!!!

carlamachadosilva disse...

Poxa que post "vida real" ... as vezes paro e me pergunto tb: "Será que existe vida pós parto???"
Eu estou no mesmo time que você, na terceira opção!!!
Vamos vivendo e aprendendo neh!

beijinhos

Sarinha disse...

É Dificil
Eu desde o começo dizia que ia parar um ano e depois voltava
Agora no final ja me coloco em duvida..
Sera que consigo? Sera que consigo ser mae em tempo integral

Eu vou deixar pra pensar nisso quando estiver com Marco Antônio nos braços.
Quem sabe assim a decisão se torna mais fácil rs.. Ou não..

Independente disso sei que seremos super mães!!!

BJs

Sarinha disse...

É Dificil
Eu desde o começo dizia que ia parar um ano e depois voltava
Agora no final ja me coloco em duvida..
Sera que consigo? Sera que consigo ser mae em tempo integral

Eu vou deixar pra pensar nisso quando estiver com Marco Antônio nos braços.
Quem sabe assim a decisão se torna mais fácil rs.. Ou não..

Independente disso sei que seremos super mães!!!

BJs

Sarinha disse...

É Dificil
Eu desde o começo dizia que ia parar um ano e depois voltava
Agora no final ja me coloco em duvida..
Sera que consigo? Sera que consigo ser mae em tempo integral

Eu vou deixar pra pensar nisso quando estiver com Marco Antônio nos braços.
Quem sabe assim a decisão se torna mais fácil rs.. Ou não..

Independente disso sei que seremos super mães!!!

BJs

Dara disse...

NINA E TIAGO!

Hoje é dia: 3/21/2009

Olá! Seu bebê tem hoje:

Meses : 7 mes(es), 3 semana(s) e 3 dia(s).

Semanas: 33 semana(s) e 6 dia(s).

-----------------------------------------------------

Aniversários da barriguinha:

1 mês :8/26/2008 - 4 semanas e 2 dias.
2 meses :9/26/2008 - 8 semanas e 4 dias.
3 meses :10/26/2008 - 13 semanas
4 meses :11/26/2008 - 17 semanas e 2 dias.
5 meses :12/26/2008 - 21 semanas e 5 dias.
6 meses :1/25/2009 - 26 semanas
7 meses :2/25/2009 - 30 semanas e 2 dias.
8 meses :3/27/2009 - 34 semanas e 5 dias.
9 meses :4/27/2009 - 39 semanas

Data Provável do Nascimento :5/3/2009

 

Umbigo Especial > DESIGN BY DATA ESPECIAL.COM.BR